nu ve ns a n d a r n a s nu ve ns



I wish the world was a better place


airports are boring

airports are boring.
sad, cold metal structures built in the middle of nowhere.
landscapes of never ending car parks and emptiness.

an un-space, soulless, full of empty people wondering around with no purpose.
the wait is painful.

a context would help, a context that is not only a name of a city. a context with history would make things better. car explosions are not history if the remains are instantly erased. collective memory is an impressive thing, but we need objects to remind ourselves.
no one is willing to share memories in a timeless space... it's dangerous, they will be erased very quickly. it's the same as shouting into a black hole what you had for dinner last night. maybe that memory will be erased, that meal will stop existing in your life. suddenly it's gone! I don't want to share anything with anyone here, it might get lost, it might get erased, it might just stop existing.

the only person I spoke to at an airport was in Dublin. I was smoking a fag outside and this guy comes up to me and asks me for a lighter. we asked each other where we were going to. after that, a coffee. he told me his uncle and his aunt met at an airport and fell in love... how can someone fall in love at an airport? I wish I could go back in time and see how they did it. people seem to be so afraid of human contact at airports... is it a post-modern thing? terrorists and all that bullshit... inflict fear so people don't speak to each other. there is only 4 questions you're asked at an airport, and I'm not proud of knowing them by heart... "Have you packed your luggage yourself?" "Has anyone interfered with your luggage?" "Has anyone given you anything to carry in your luggage?" "Are you carrying any liquids in your hand luggage?" No No No No. What if I said YES? What would they do? Are they expecting people to be that honest? I'm assuming they're not trained to read people's reactions, and even if they were, there's no point... there's no reactions. there's nothing, it's scary.

I want my bed.


I am a bit fucked, yeah.

I thought we could be teenagers for ever. and ever and ever and ever.
I thought things were a bit more simple. not this complicated.

Everything has a rope that connects me back to where I'm from.
but I still don't know where I came from.

I am a bit fucked, yeah... and lying is not gonna help me.
I wish I could be free again and run. run for my life. run for anyone's life.

It's not fun anymore, it's just a web made by a spider on coke.
me. Even though I can't do drugs.

It doesn't make more sense just because it's planned... my life I mean.

I can guess where it's going and it's not pretty.


The bug in the dark

I saw a bug in the dark.
My first instinct, as an animal, was to kill it. Smash it with my shoe.
I've killed spiders and ants before, snails and even centipedes - those horrible bastards - so this unknown bug didn't seem a big challenge.
But then I realized, "I don't even know what it is, I don't even know how many legs it has, if it has anthenas or not... I don't even know its facets, its color or if it's fast or slow. Is it like one of those transformer ones or was it doomed to stay in the same shape till the end of its time? I can't imagine the sound it would make if I was to step on it either."
So I decided it was unfair to kill it and watched it going up the wall.
I let it live and I'm happy with my decision.

Hope it's still alive now.


I don't wanna go but I don't wanna stay either.
There's a space of mind in between where I feel I could find the peace I need.

Can I have a bag or two of that peace please?

I need it to untie the nots I have inside.
I'm tired. I'm always tired. I'm tired of being tired.

God, for how long is this gonna last?
I wish I had the faith...

All this shit is a trap.
All this postmodern/globalized/eclectic/hyper-industrialized world is a trap.

I'm tired of being me without being able to be myself.

It was all a lie in the end. We're all a bunch of puppets.
No reactions to be invented, no imagination to be developed, no barriers to overcome.

Why the fuck did I choose this?
It would be so much easier to seat on the fence and look around.

It's a pact with the devil that's what it is.
The devil of reality.
I don't need fucking reality in my life.
It' so fake it makes me sick.

I wanna sleep and dream forever.
And forget all I know.


e passado um ano

e passado um ano as coisas mudaram. obrigo-me a escrever qualquer coisa só pelo culto ao tempo, esse ritmo que muda em função dos olhos de quem o vê. AH! e é transparente! o sonho é o mesmo, esse nunca me morreu. complica-se ou simplifica-se mas cá fica. tal tumor ou amor de vida. depende. tudo começou de novo há um ano. aprendi e relembrei. é bom. às vezes relembro coisas que já sabia, mas como aparição que são estas coisas, é como se as vislumbrasse pela primeira vez. o espaço é casa. a minha casa. aquele que só eu pude aprender a gostar, aquela que só eu pude aprender a ver. e sozinha vou, sempre, como vim ao mundo e como todos nós. feliz ou infelizmente, quando estamos sozinhos, alcançamos uma perspicácia que nos faz perceber melhor como é que as coisas funcionam, ou se relacionam, ou se transformam. o tempo, esse... ai esse é que me espera. mas é tempo, logo tem tempo para esperar. eu não.


time to leave

oh well, it's time to leave... again. said goodbye to some I love, the ones I didn't now I'd have done it, if I could. hate to say goodbye anyway, think it's a common feeling among all of us. even when it's good to leave.
I painted my room while I was here, white makes me feel bored, and the things I wrote on the walls as a teenager were coming up, through the red... bastard! why do things make so much sense? it scares me a lot, "of course it does". "but i'm a creep, I'm a weirdo, what the hell am I doing here? I don't belong here" it said. after 3 coats of red paint I couldn't see it anymore... but I know it's still there. there or here it's the same. don't think the wall is the one to blame.
doesn't make me sad though.
I'll be up in the sky in five hours. I wish I had to power to disconnect my mind and skip this day and the next thing I would see would be Edinburgh, the grey city with tall buildings. hate flying, hate airports and hate staying in beetween. I feel it's nowhere. and I hate it.
mom and dad, I love you both. sorry for isolating myself and sorry for not showing how much I love you, and when I do, think that what I feel it's 10 times stronger than that. you know I won't come back, coz just now I feel life's too short already. my eyes are gonna kill me but I won't close them ever. I'm proud of being your daughter, proud of the people you are, proud of what you see and what you feel... and sorry if you're not proud of me. hope you understand I'm not gonna stop from now on, this thing is buzzing inside me. thank you for being my parents.


coz they've been taking over...


it's gonna look like this


Come, come and see how the trees grow,
how the children play.

Come, come and see how the world evolves,
how the world explodes.

“GOAL!” they shout, and there’s an old couple passing by.
This is their time still. Wonder if they came to absorb the energy.
But no. They are no vampires.
They just came to see them playing on the big, wide and green sheet.


this is the moment when it all stops.
no rush, no storm.
just this.

I can see the wind touching the top of the trees as if loving them but it can't reach this place, this space.
wonder if it'll last.
as soon as I reach the top of the street I'm expecting for it to start again.
the wind.
the rain.
the noise.

the explosion will hit me like a barrier that I can't avoid.
it's just a matter of minutes.
but now...
I can't hear anything.
is it behind me?
is it chasing me?
or am I looking for it?

does it exists?

"WELCOME TO THE REAL LIFE" it says... and it's wearing a suit like a 20th Century Fox.
they call it real life but it's no less than a fictional movie.
and at the end of the day, they all smile like little happy balloons.
I wonder if it makes sense to hate it.

I'm part of it as well.


it's raining now.


am I still alive?


To my friend Marty

come, come around if you wanna cry.
your vision gets blur but I'll show the way.
come, come around if you wanna cry.
I'll give you my hand, everything will be okay.
come, come around if you wanna cry.
it hurts, I know, but it won't kill.
come, come around if you wanna cry.
it makes you live, it makes you feel.
come, come around if you wanna cry.
you have a place here where you can hide.
come, come around if you wanna cry.
you'll see the drops, they'll shine!
(because they're yours)


"yes, My love"

Yes, I’m dying. I can feel it in my blood, in my veins and in my bones, as I felt it before. But this time is for real… isn’t it? “It’s always my love…” Why do I call myself love when I can’t even bear my image? It’s all about image, isn’t it? “Yes indeed, my love…” Why? Why do you call me love? I wonder if it’s because we’ll be partners till the end and you just gave up on hating me. Is it love much different from hate? Cause I don’t know if I love or if I hate. I do feel for sure. Well… at least, I know that, don’t I? Can I die happy now? “Yes you can… my love. C’mon, lets go.” Can I just say something before we go? You have the sweetest voice I’ve ever heard.


sonho #3

Valadares High School. A familiar place, a known image. But this time it started like this: A big entry hall and my friend, Sara... My History of Art teacher as well. What the fuck was he doing there? Recalling Recalling Recalling The space: A couple of classrooms, growing, getting darker or just disappearing. I can’t say how many times I’ve dreamt about this school. It’s getting blurry now Well, as far as I can remember, there was an office, and my teacher was there. I was talking with Sara, about some exams or that sort of shit. There was somebody else but I can’t even picture his face. Some young boy, I suppose. The action: So I got into this classroom, and suddenly my bed appears, out of nowhere, so I went to sleep. It was night already. Funny thing is: as soon as it got darker, the daylight came trough my window and it was snowing. I wanted to see it, to feel it and to sleep under it so I moved my bed outside the window. The day was grey, pretty cloudy. There was a big street and people passing by heading for work. I realized it was time to get up. I was sleeping on the street and I was starting to feel uncomfortable with the fact. I was talking on the phone at the same time, with Pedro. It was the grey phone, the one that we have here, in Forrest Road. I moved my bed inside without getting up so I moved it while I was still under the duvet. It was full of snow which made me feel quite happy. I remember seeing it moving in circles and my perception was quite similar to the one of a cameraman doing some crazy shit with the camcorder, like a travelling. Then, finally on my feet, I got into some office. It was dark again but probably because the window was shuttered. My teacher was there and he was quite pissed off at me because I was using the phone. I said: “Ok, ok, just a minute, I was just gonna say goodbye!” And he said something like: “Ok, just hurry up!” Yeah. Somehow I went outside and the light was funny till the point I had to hide my eyes. Painfull. I can’t recognize the place to be honest but by the daylight I could say it was somewhere in Edinburgh. The buildings were pretty high and I was walking just for the sake of it. And the weather... yeah... The weather was something between raining and snowing. Then I realized I had this guy right on my back, trying to figure out where I was going. He had a bike but he wasn't riding it. I was grabbing a bin bag but I don’t know why or where did I get it. At this stage I was freaking out because of this guy so I decided to get in some building so the guy would loose the track. I turned left and he followed me. Bad luck: He lived there and he had the keys, which I didn't so he opened the door for me. He was quite nice for me and he was smiling all the time but for some reason I didn't feel secure around him and I just wanted run away! He asked me if I lived there and I said the first thing that popped into my head "No, I'm just looking for Henry" . He said: “I've never heard about Henry, which floor?” “Well, I actually don’t know... are you sure you've never heard of him?” Fuck! I was lying and he knew it. “No, I've never heard about Henry, but we can figure out which floor it is, if you want to.” Well, at this stage I couldn’t say no, I was in the lift already, with him and I couldn’t j u s t say no. Funny thing: I can’t even remember his face, the only thing I remember was that he was wearing some kind of hat and he gripped the bike in his hands. The building was pretty dark and as we were going up it was getting darker. We got to the first floor and he asked me: “Do you think he lives here?” “Well, I've no idea, I’m sorry.” “No problem! Lets just knock!” “No! No! No! No! No!” “Why?” “Well, see, I don’t wanna disturb anyone, I don’t wanna buzz all the doors in the building, I can wait and meet him one of these days, don’t worry about it, it’s not that important anyway!” And there was a break. some sort of flash in my mind. I don’t know how but I got into this guy’s flat but we were not talking or anything. Suddenly this guy turns into Henry and I started feeling much better, much secure. This is when I see the weirdest thing going on at the downstairs flat. Don’t know how but I could see some kind of reflection of this kid’s room on Henry’s floor. I could see everything this kid was doing and at the moment he was lying on his bed with spider man sheets on it and he was moving his body like if he was masturbating. I turned to Henry and asked him what was going on: “Is he doing what I think he is?” “Yes, he is jerking one off.” Good lord! And Henry says again: ”Oh no, he is not, I’m sorry. I forgot! This kid has some serious issues. He’s addicted to ecstasy... he used to hang around and do it all the time so now he’s fucking wasted and he spends all his time in bed, freaking out.” I was horrified. I couldn’t talk, I could just watch. The kid looked like he was 12 years old or something, he looked like a baby! The worse part was that he was grabbing this kind of pen and every time he was freaking out he would inhale some sort of powder that was inside it so and he'd calm down. I don’t know how but I knew the powder was some kind of ecstasy. Fuck! I had the feeling the kid was there for ages with no consciousness of life, just waiting for death. What would his parents think of it? How did he end up like this? I woke up, for real, and I was thirsty.


sonho #1

Linhas de comboio. Estendidas, paralelas. Um ambiente cinzento, da cor das pedras que eram abraçadas pelas duas linhas, que ao fundo se uniam. Um ponto de fuga. As linhas, uma colecção de textos. Estendidos. Tão estilizados... resolvi nesse mesmo momento escrever um texto no tejadilho de um carro. Com o meu dedo criei as palavras naquelas gotas de água que nasceram graças ao milagre da condensação. E era um texto ao lado. Um texto ao lado dos outros. Não me lembro o que dizia lá. Só me lembro de uma forma. Era curto. Havia um link onde eu podia ir ver os comentários, tal página de internet. O carro estava num parque de estacionamento que entretanto tinha aparecido ao lado das linhas. Era vermelho, o carro. Pessoas apareceram, era de noite e o chão era de terra batida. Castanho, húmido. Havia uma neblina qualquer no ar. As pessoas entraram e havia crianças. Cadeiras de criança no carro. As pessoas entraram no carro e eu estava a tentar ver o que diziam os comentários sobre o meu texto no cimo do tejadilho. Havia três. Um primeiro... qualquer coisa sobre a morte, essa coisa que me domina todos os dias em vez da vida. Um segundo sobre a morte de um tal Alberto. Uma criança. Estava a jogar futebol e por qualquer razão o árbitro não se mostrou muito competente, e o crianço lá morreu graças a uma briga com outro crianço. Triste... não sei bem porquê. E o carro partiu. Não sei como mas eu já estava lá dentro. E havia outro carro ao nosso lado, colado ao meu banco, como uma extensão deste vermelho, mas mesmo assim independente, com as suas quatro rodas e um volante. Eu perguntei para onde iam, e iam para a esquerda. A rua era estranha, uma espécie de floresta que a ladeava. Continuava escuro. Eu queria ir para a direita. Senti-me como o Jack Kerouac, meia perdida, sem ter ninguém que me acompanhasse e ninguém que seguisse a mesma direcção. Decidi sair, agradecer e dizer que ia para a direita. Os comentários e o texto estavam para sempre perdidos. Segui por uma rua. Era mesmo uma floresta. Abandonada. E havia uma sombra que a acompanhava. Uma vila abandonada do séc. XXI. Um dia já tinha sido uma cidade. Numa esquina havia dois prédios, gémeos. Estavam rodeados de ervas compridas amarelas. Secas. O resto estava deserto. Um cinzento escuro, que cobria os tijolos preguiçosamente sobrepostos, ocupava todo o exterior dos prédios. Pareciam bonitos, vistos dali. Não me lembro de como lá entrei, mas lembro-me de estar numa sala/cozinha/quarto. Uma mulher. Uma mulher veio e deixou-me dormir lá. Eu deitei-me. Ela entrou para outra divisão da casa. Havia uma janela atrás de mim, coberta com plástico e fita cola. Na parede estavam cartões pintados. Montes e montes de cartões pintados com vermelho e preto que se transformavam em padrões que se iam transformando em pinturas na parede e em frases. De repente estava tudo finalmente transformado e eu conseguia ler “TIO ALBERTO, VOLTA.” E histórias sobre ele que eu acho que não li mas que a mulher me contou. Havia muitos corações de papel também. Colagens... flores e pinturas de crianças. Do lado esquerdo estava uma cozinha. E à minha frente havia uma sala que se estendia. Uma mesa redonda ao canto, vasos com umas flores de cor morta no parapeito da janela, e uma luz amarela. Começava a ser de dia. Mas era um dia doente. Um homem, que eu sabia ser o marido da mulher, entrou com duas crianças. Pequeninos, ainda. Uns 4 ou 5 anos. Olhos rasgados. O homem era padrasto da filha mais velha da mulher. A rapariga já tinha partido há muito. Tinha casado e era brasileira. O padrasto era mau. Estava a por a louça na máquina e a embirrar com o sitio dela. A máquina estava cada vez mais perto de mim e cada vez maior. Eu estava deitada numa cama pequenina que lá estava. Os miúdos andavam para lá, e eu tive pena deles, porque o pai preferia embirrar com a posição da louça na máquina de lavar e gritar com eles em vez de brincar e de os abraçar, e eles pareciam já estar habituados. Saí pela janela que estava atrás de mim. Saí e a filha mais velha veio ter comigo, a voar num dragão castanho clarinho. Ela estudava bruxaria e eu sabia não sei como que a família não via isso com bons olhos. Montei no dragão com ela e disse-lhe que o mundo estava doente. Que tínhamos que sair dali. Ela disse que não podia, que tinha o filho e o marido em casa e tinha que voltar. Eu olhei para o chão e vi cavalos como nunca tinha visto. Uns em cima dos outros, de pernas para o ar, a morrer. Disse-lhe, ela respondeu que era normal, estavam só a dormir. Eu disse-lhe que os cavalos não dormiam assim. Estava de dia, e o dia estava doente, estava amarelado. Era tudo amarelado. Eu voei com ela e lembro-me de já estar de novo nos meus pés a descer um lance de escadas cinzentas. Muita gente atrás de mim. Corríamos todos para o mesmo sítio. O único sitio para onde podíamos escapar da doença do mundo. Descia as escadas encostada à parede, com o meu ombro. Cheguei ao fim e vi uma sala, protegida com vidro. À porta estava uma mulher gorda e bêbada, a pedir-nos para pagar a entrada. Eu disse que não pagava, que não tinha que pagar nada. Entrei. Umas projecções de uns filmes azuis corriam em cada uma das paredes. Eu deambulava. Descobri que era uma festa de publicitários bêbados que não se importavam com o mundo e só queriam estar bêbados. A mulher estava sentada num banco almofadado de pele preta e corrido ao longo de toda a parede. Ria-se e estava muito bêbada. Sempre que se mexia inclinava-se porque já não encontrava equilíbrio. Eu queria sair dali. Sabia que o mundo ia morrer. Os capitalistas vieram. Lembro-me de homens de fato. Lembro-me de um homem muito baixinho, gordinho e careca. Um parasita. Fomos até à lua que morava no cimo de um monte para lhe pedir ácido sulfúrico. Se varrêssemos o mundo com ácido sulfúrico ele ficava bom outra vez. E a lua tinha lá um monte dele. Deu-nos um bom pedaço, mas o homem baixinho fez xixi pelas pernas abaixo mesmo em cima desse monte. Imediatamente o ácido começou a reagir. E só eu é que vi. Chegamos à terra, que era logo abaixo da lua, e estávamos num corredor gigante de um chão muito sujo. Havia paredes mas não havia tecto. Todos tínhamos vassouras. Espalharam o monte por cada um de nós e começamos a varrer. Para surpresa de todos menos minha o ácido não fazia efeito. E eu contei o que tinha acontecido. Eles disseram que eu tinha razão, que a urina fazia o ácido reagir, então deram-me o ácido para eu o espalhar, mas eu sabia que não ia fazer diferença nenhuma. Como se o facto de eu ter sido a única pessoa a dizer a verdade fosse fazer com que ele resultasse. Os capitalistas estavam-me a matar de ódio. Todos de fatinho, a tentar varrer um mundo que eu sabia que tinha sido destruído por nós mas ninguém o assumia. Já não havia voltar atrás. A lua já não tinha tanto ácido sulfúrico para nos dar. Estava arruinado. E o mundo ia morrer. E o dia era amarelo.


o estado alternativo ao estado de estar

O estado alternativo ao estado de estar é estar aqui. Nao interessa se relaxada, irritada, fazendo alguma coisa ou não fazendo nada. Marcando o meu território ou não, tal animal de instinto, estou aqui. É uma alternativa justa e coerente ao estado de estar pura e simplesmente. Estou. E penso. É curioso perceber que animais pensam que esta alternativa é semelhante ao estado de estar, mas esses animais estão enganados. Não me limito ao estar ocioso que se assemelha ao não fazer nada, embora ligeiramente diferente. Não fazer nada é nao estar, sequer, logo, só os mortos e às vezes esquecidos é que conseguem não fazer nada, embora o acto de estar seja mais ó menos isso, com a diferença de que quem está assim ainda consegue ocupar um espaço de dois pés, a não ser que esteja deitado… eu estou numa alternativa a estas todas, e para além de ocupar esse espaço de dois pés consigo ocupar um círculo que circunda a minha cabeça e aí ter uma galaxia de coisas sem fim. Por isso estou aqui, logo, estou neste estado.


Para a Ines


Para a Inês

Sabes que faz bem sonhar?

Rabiscos para aqui e para acolá,
e é tudo uma confusão.
Não sabes se te hás-de virar para ali ou para lá,
e só te apetece dizer que não.

Mas sabes uma coisa?
Vou-te contar um segredo...
Há um espacinho só para ti,
mesmo em cima de um penedo.

Ali ninguém te pode chatear,
e de certeza que não te vais assustar,
é um espacinho só teu,
e digo-te, é lindo como o céu!

Queres saber onde está?
É simples!

Quando às vezes te sentes sozinha,
ou outras vezes estás triste,
fecha os olhos devagarinho
e nem te vais lembrar como te sentiste.

Quando tiveres os olhos bem fechadinhos,
e depois de respirares fundo,
começa a pensar aos bocadinhos,
como gostarias de ver o teu mundo.

Acredita em mim!
É tão simples quanto isto,
está tudo dentro de ti,
e podes criar coisas que nunca tinhas visto!

Podes querer sentar-te numa nuvem,
ou até rebolar na relva.
É só imaginares as cores,
e começa a pintar a tela.

Só tu tens a chave do teu mundo,
e mais ninguém pode lá entrar.
Podes até inventar amigos,
e assim ter com quem conversar!

Agora lembra-te disto,
quando estiveres a chorar.
Vais começar logo a sorrir,
porque não há nada mais bonito do que sonhar!

Podes inventar o que quiseres,
nesse mundo que é só teu.
Podes até tirar coisas e pôr novas,
como te apetecer!

Prometo que te vais sentir bem,
e sei que és capaz,
de criar um mundo bonito,
como nunca ninguém faz.

Pinta-o com as cores
do sol, do céu e do mar,
dá-lhe cheiros também,
e nunca te vais fartar.

Agora queres saber um segredo?
Eu também tenho um mundo meu.
Para quando me sentir triste,
poder imaginar-me no céu!


bolas de sabão. de todas as cores. não há cores. há reflexos. reflexos de todas as cores. e então, há cores ou não? há reflexos.

Linha de raciocínio, linha de raciocínio_____ Porra! não ando a fazer nada. Estou a ir outra vez. Outra vez, outra vez. Um momento grotesco antes da minha mais bizarra tentativa de suicídio. Não este. Ai, tantos outros. As linhas verdes que me fazem acreditar que o suicídio não é físico. Não é físico. Quero mais PALAVRAS! "Palavras se faz favor..." Desconfio que se soubesse todas as palavras do mundo não seria capaz de reflectir (reflectir, reflexos... AH! Tão bons os reflexos... A luz, a luz...) o que penso de uma forma mais clara. O céu é claro. O meu suicídio não é físico. Só meto o meu eu dentro de mim. Ai, MÃOS... P´ra quê? Não me servem. O corpo é um factor externo, não me interessa. O factor externo que mais me irrita. FOME ---> comer, SONO ---> dormir, SEDE ---> beber 1,5 L de água por dia. Fodasse! Que merda... e eu só digo asneiras. Este CORPO prende-me. E eu vou matando o que se aloja dentro de mim porque me apetece. Não, não me apetece. São as crises. Pseudocrises? NOP! Psicocrises. Nascem deste centro de convulsões. É o monstro. E eu ando-me a esquecer de mim outra vez. Caio neste quarto de tapete azul como o céu, mas nunca melhor, e lembro-me outra vez porquê. Caí ao chão. MONSTRO.... fazes de mim o que eu sou. Tens o meu nome. Não a minha cara, nem as minhas mãos, porque a essas eu não as conheço. E isto de os chamar de meus. Eu sou eu dentro de mim. E isso é infinito... o meu corpo acaba. Eu não. Em comprimento, claro. Em comprimento de ideia. Oideia Nideia Dideia Aideia Não sei o que é a eternidade, nunca a vi, não sei do que se fala. É como estar de joelhos em cima da cauda.



ver isto tudo à minha volta

... e fecho os olhos, porque assim o céu é mais azul. o céu não cega. e tem uma luz uniforme.
está enevoado e eu vejo as estrelas.



"I'll always be a word man
Better than a bird man."

... by jim morrison...


acreditas em mim?

Acreditas em mim? Mas acreditas mesmo? Eu não. Ando-me a matar. Não falo porque sei que os outros não me entendem. São a maioria. E agora? Quero mudar isto, quero mesmo. Tenho vontade e olhos a mais para o corpo que tenho. Esta merda deste corpo fraco. Que me dói. Quero mudar mas não quero dizê-lo. Quero mudar sem dizer que o vou, ou estou a fazer. Quero que seja subtil, e entendido por muitos. Um acordo mútuo silencioso. Isso não existe. Porra! No que eu me fui meter. Agora já não há volta a dar. Estou demasiado embrenhada nisto. E não desisto. Ahahah. Não. Claro que não, fodasse. É a minha vida. O meu sonho. A minha realidade. O meu factor interno. O monstro. Eu. Mas dá-me para pensar na minha proximidade com as pessoas. Não sou nem vou ser a Madre Teresa, por isso o contacto humano nao é opção. Vai para além disso, mas não posso dizer que é isso. A coisa. Falar do objectivo. Ah bom... mas tu acreditas em mim? Vi-me a nascer, ontem. Foi bonito. Mas tão distante. Não era eu. Ali, não tinha aberto os olhos, e agora não os consigo fechar. Isto mata-me, este vício. Dá-me forças mas faz-me correr mais do que o que posso. Sim. Nenhum corpo aguenta. E se eu morrer? E se não conseguir fazer nada? Fodasse. Que merda. Eu sou a minha droga, e ninguém me percebe. Hey, eu quero o céu e os que estão para além dele. Porque há mais, muitos mais. E isso eu sinto. Não sei, só. Não é um dado adquirido, foi preciso olhar no momento certo. Ou o errado? Porque agora nao tenho descanso... mas para quê descansar? É isso, vou correr. Mas há dias em que só me apetece dormir. E penso e penso e penso. E cada vez falo menos. Cada vez pareço mais ridícula e infantil. Porque sonho. E acredito em nós. Ah sim. Vai mudar. De rumo. De forma. De vento. E abomino, oh mãe! Tantas coisas. Nem a Inês consigo ajudar... e ela vê! Sofre tanto.... não lhe posso mostrar o jogo se nem a consigo abraçar. Dar-lhe um beijo. Há uma barreira. Há um desconforto, uma falta de hábito. Porquê??? Que merda. O que é que eu lhe digo quando ela tiver 15 anos? Vai ver mais do que eu, e melhor. Mas não sei se vai conseguir lutar. Oh mãe, que criações são estas? Que vontade esta de mudar o mundo a olhar para o céu? "Isto só muda com sangue, com mortes, com guerra!" dizem eles. O que é que eu não vi, mãe? Para sofrer tanto? As mãos não ficam dormentes nesta altura. Ficam pesadas e a cheirar a fumo. E eu calo-me. Porquê? Cor, quero cor. E ficar para ver a mudança. Não me sigam. Não me cantem um hino com o braço em riste. Quero ver os vossos olhos. E saber que sabem isso por vós. Estou cansada e não acredito em deus. Nem em mim. Olha para mim. Não é o meu corpo. Sou eu. Eu cá dentro. O meu monstro. Eu. Acreditas em mim? Ou sou burra, estúpida, psicótica? Já não conheço as palavras, nem o contexto delas. Só sei que uma tesoura tem dois bicos e pode magoar. Mas há pior... bem pior.

a c r e d i t a s e m m i m ?


[ ]

eu e tu
quando fomos
um dia
sem tempo.
sem nada.
so eu e tu.


this is for lovers [running away]

fugir. fugir para todos os lugares e sitios ao mesmo tempo. mas o que e' que se passa? isto e' meu. esta vontade. estou a viver? o tempo nao pa'ra. mais cha', mais cafe', mais um cigarro. e dois deles fogem numa mu'sica. serei eu comigo? this is for lovers... running away.



mas soletrar o quê?

já não há palavras, não há sons, não há cérebro, não há comunicação... NÃO HÁ DISCUSSÃO POSSÍVEL!
gostava de me comunicar contigo. é realmente complicado. e isto das maiúsculas serve para quê? não há mútuo acordo... mesmo quando não precisava de haver.

discutir faz bem...
- Ao cabelo?
- Sim! Rapei o cabelo! E agora?
-Agora vamos para onde?
- Dizes o quê? Faço-o onde?

vamos para o espaço sideral da comunicação! o vazio finalmente por favor!
- Já vai a seguir! Um vazio para a mesa 3 por favor!
- Oh Homem! Tem lá calma contigo que aqui não há andróides!

... o espaço vazio da comunicação onde se fazem mais conversas.



fios e fios de terror

Fios e fios de terror. Fios de sangue e fios de medo. Medo porque estava sozinho. Fios de medo. O terror surgia da ideia de continuar só. Tanto sofrimento lá dentro. Um vácuo imenso que o trespassava. Já só sentia aquele vazio. Apatia. Sofres ainda mais. Fios de sangue. Aquele quarto de banho já metia nojo. Não se podia sentar no canto porque os cabelos e o pó acumulados lhe metiam nojo. Mas nojo de quê? De ti próprio… os cabelos são teus. O chão ladrilhado já não tinha brilho. Agora estás sozinho. És uma merda. A culpa é tua. Achas que me vou preocupar com essas tuas pseudodepressões? Vai-te foder. Estou farta de te aturar. O espelho estava embaciado. Para que é que tomaste banho? Vais ficar aí fechado e sozinho o resto da tua vida. Já não consegues vir cá para fora. É forte de mais para ti. Não tens força. És um fraco. És uma merda. Eu sou uma merda… foda-se. Afinal sou eu. Porque é que deixei a toalha no chão? Estúpido. O tecto estava cheio de manchas. Manchas daquelas que nos corroem e apodrecem por dentro. Manchas de humidade humana. Se a humidade humana não for a sexual então só pode ser podre. Se não for aquela quente e envolvente e sedosa… só pode ser a podridão que todos nós gostamos de espalhar. Era tudo feio ali. Era tudo horrível. Estou só. Fios de terror. Fios de medos e fios de sangue. Nunca suportei a dor. Mas agora já não sinto. Só sinto o vazio. E o vazio não se sente… é um vácuo. Fodasse. És uma merda. Essas fitas todas só para eu ir atrás de ti? Já não tenho paciência para estas coisas. Fodeste-me a vida.
Estou velha de mais. Este cubículo torna-se cada vez mais insuportável de cada vez que escolhes uma palavra e ranges os dentes a tentar dizê-la. Claustrofobia. O caralho, nunca a tiveste. Fazias tudo para ir de elevador e ignorar as escadas. O lavatório é nojento. Os pedaços de pasta dos dentes estavam incrustados como se já ninguém morasse lá há anos. E afinal… sou só eu que estou sozinho. Merda, és uma merda. Shampoo, gel de banho, esfoliante, amaciador. Tá calado! De que é que te vale olhares agora para as coisas? Cegaste-te e desprezaste tudo. Agora ficas aí. Sozinho. A apodrecer. A ser engolido pelas tuas manchas de humidade. Quero a lâmina. Onde é que ela está? Abre a porta! Abre a porta! Está aqui. Que se foda a dor. Que se foda tudo. Sou só uma merda. Sou uma merda e estou só. Sabes que não suporto ver sangue. Vou-me embora.


amigo imaginário vs amigo real

lembro-me... nunca gostei de diários, sempre que tinha um não conseguia escrever nada nele. sentia-me demasiado menininha a contar o meu dia todo a um livro, e não gostava! mais pequenina ainda, tinha os amigos imaginários. completamente consciente de que só existiam para mim, mas sempre com uma vontade enorme que eles existissem mesmo! uma vontade de lhes tocar, de os abraçar, de brincar com eles. mas eu sempre gostei muito de falar. eram ideais, como todos os amigos imaginários são. concordavam em tudo o que era importante para mim, mas apresentavam-me outros pontos de vista. mais calmos, sempre, mais coerentes, mais sábios. discordavam quando tinha que ser. zangava-me com eles, mas era tão fácil fazer as pazes! e depois... vieram os amigos reais. é um crime!
pois é um crime... a minha mente acabou por criar amigos imaginários dentro dos amigos reais, fazer deles pessoas que não cabem dentro das pessoas reais... super heróis. faço isso ainda hoje. não quero falar de desilusões, não faz sentido. quero falar desta coisa que é criar uma pessoa dentro de outra. ai, que coisa! basta um olhar! e PUF! la estou a imaginar alguém, um amigo imaginário, com os mesmos olhos, as mesmas mãos, o mesmo nome... mas com um ser diferente. quantos de vocês não são amigos imaginários para mim. vou com eles para casa, e não convosco. imagino conversas impossíveis, imagino seres cheios de cores e de sons como cordas penduradas do tecto ao chão do meu quarto. tento lidar com a realidade, mas às vezes é impraticável... não consigo não consigo não consigo! mas aceito a separação. entendo. ninguém pode ser para sempre um desenho animado.


pai, apresento-te a minha vida

nunca te disse porquê. nao sou capaz de o dizer. as palavras escritas correm-me melhor. correm-me pelo sangue, pelos canais do sistema todo que existe em mim.
um ano em inglaterra. sim! nao me inscrevi em faculdade nenhuma, e as razões? sou eu.
pai, eu quero o mundo! não quero parar. quero saber como é viver aqui, ali e acolá. quero descobrir o sonho do mundo, a realidade dele, tou farta de ouvir histórias. um ano em inglaterra sem parar. sinto que preciso de crescer. sinto que preciso de saber o que é desenrascar-me sozinha, sem o mimo que é a escola. quero saber qual é a vida real de que tantos falam. quero sentir isso na pele, sofrer, ir ao fundo e conseguir vir ao de cima para respirar. quero sofrer para mais tarde me poder proteger. agora, porque sou pequenina. quero que a crosta seja criada cedo, para depois a ferida nao abrir à minima dificuldade. vou viver sozinha, sempre. por isso quero saber como é, agora. e continuo a querer o mundo. não vou parar. nunca! o meu objectivo não é casar, ter um filho, ter um carro, ter uma casa. nao me oponho a quem o deseja, só me oponho a quem não faz o que deseja. e eu desejo falar com o mundo, descobri-lo. e saber que outros o fazem. desejo estudar a minha vida toda. falo do estudo de faculdade mesmo. o outro... já o conheces. por isso não tenho pressa. quero passar a vida envolvida em livros, em filmes, em fotografias, em arte, em sonhos, em tinta de todas as cores e feitios. em SONHOS VINDOS DA REALIDADE DO MUNDO. pai, eu não caio em ilusões. não é o dinheiro nem o poder de compra que eu quero. eu quero saber, quero o sabor das coisas. a ambição, esta maldição do ser humano...
nao vou parar.
para além disto... o objectivo continua a ser procurar a melhor faculdade de cinema para mim, integrar-me num novo espaço e fazer uns cursos curtos de cinema. há muitos lá.
desculpa se não fui capaz de o dizer. tenho medo que as palavras que me saem da boca não sejam entendidas... não por falta de compreensão da tua parte, mas por falta de poesia naquilo que digo... e às vezes timidez...
é a minha vida, pai. a próxima paragem... é o MUNDO.


coexistência ficcional

times no matter, i'm on fire...

Ser humano... és humano?
O que é ser humano?
É pensar?
É questionar?
É reagir?
É ser livre?
É deixar ser livre?

É ser?

pai, este mundo faz-me sorrir, mas faz-me sofrer... tanto!
---------------.ainda há o céu.---------------

inventei uma palavra : NUVIFICAR. tornar [nuvem].

sim, [nuvem].
não a [nuvem] que tapa o sol, que nos tira o calor, que nos traz chuva.

lembras-te das [nuvens] de algodão doce? cor-de-rosa? doces, como o sabor do céu.

gostava de ter inventado uma palavra que fosse doce, que desse outra coisa ao mundo. não quero que ele mude, não! só me quero dar a mim. sei que me vou magoar... muito e muitas vezes. por isso inventei esta palavra. nuvificar as bocas, os olhos, os narizes. achas que é possível? ser humano não é ser [nuvem], mas acho que é poder sonhar... também!


je t'aime tous les jours, maman

este é pelas vezes em que te sentiste mal (comprimido azul e branco), burra
este é pelas vezes em que precisaste de alguém (comprimido rosa), cabra
este é pelas vezes em que te sentiste abandonada (comprimido branco), estúpida
este é pelas vezes em que não foste capaz de ficar sozinha (comprimido castanho), anormal
este é pelas vezes em que te tentaste matar e não conseguiste (comprimido amarelo), infantil
este é pelas vezes em que exigiste tempo (comprimido laranja), puta
este é pelas vezes em que não cresceste (comprimido branco), aberração
esta é para quando fores realmente capaz... (lâmina), martha

(isto é o crescer de outra coisa dentro de mim... e o morrer destas. não passam de símbolos, mãe. o monstro continua cá... há-de sempre estar, mas eu posso mudar-lhe o rumo. o VENTO passou a ser um símbolo.)

je t'aime tous les jours, maman. a vida real começa agora, e é bom saber que te tenho a ti como base. é bom partilhar isto contigo, mãe. muito bom. o melhor de tudo. por muito longe que eu esteja, quero estar perto de ti. és, realmente, a mulher mais linda do mundo, e eu amo-te!


consegui ver para além fronteiras

vi para além fronteiras...olhei para o céu. e senti-me chorar. senti a minha necessidade de contacto com as pessoas, e a falta que elas têm na minha vida. senti que ha tanta gente... mas não estava ninguém ao meu lado a olhar para o céu comigo. cada vez mais as pessoas se afastam umas das outras, cada vez mais precisam menos de estarem juntas... cada vez mais caminham sozinhas com cara feia, zangadas. e não olham para o céu. porque é que as pessoas não sorriem quando estão sozinhas? não digo para serem tolamente felizes, mas para sorrirem para si... somos todos tão bonitos quando sorrimos! e eu fico a vê-las passar, com pressa de apanharem o comboio. eu fico ali sentada, a ver o mundo passar por mim. precisei de alguém, alguém conhecido ou até desconhecido que me fizesse sorrir. oh clara! tenho tantas saudades tuas!


como eu, de olhos fechados

doi tanto!!! toda a gente sabe como é... não sou como alguém, que diz: "oh, mas tu não percebes!"...não. assumo que toda a gente é capaz de perceber... porque todos sentimos, porque todos sabemos, porque todos nascemos cegos. assumo sim... que toda agente sabe o que é esta dor. se calhar... é so a minha insanidade mental.
penso qual será realmente a realidade do tempo. a relação tempo/espaço/multiplicidade de vidas, de pessoas, de dor. penso se será real o pensamento "eu estou aqui... pode acontecer alguma coisa e em cinco minutos de tempo-vida perco tudo... eu estou aqui, e nestes cinco minutos de tempo-vida, alguém está a perder tudo." será real a quantidade de pessoas que estão a ver alguém que amam a morrer? será real essa quantidade que eu imagino? olho lá para fora e tento ver para além fronteiras, imaginar o mundo em transparências. vejo alguém? não... mas sinto a dor. o monstro acorda e rói-me a barriga. será real esta noção de "enquanto estou aqui, milhares de pessoas morrem, milhares de pessoas nascem, milhares de pessoas VIVEM, milhares de pessoas têm momentos importantes" será mesmo real? oxalá que sim... ou não?
e depois... acabam por criar os condomínios fechados, com ringue de ténis e piscina... fecham-nos em caixas, e acabam por manipular os nossos passatempos. fecham-nos em caixas, e criam a família feliz.

este conceito de condomínio fechado fode-me a cabeça...

se o mundo ao menos fosse plano...


dedo indicador

é, pois foi... vi uma mancha preta no meu dedo...
daquelas coisas que nao sei como é que fiz... so olhei para o dedo e vi que ela estava la. esquisito!
o problema é que nao sai!!! e juntando isso á minha hipocondrice...bem... nao foi facil lidar com a situaçao. fui ao medico... passado uns dias, e claro que me disseram que nao era nada, so um pedaço de tinta : "não, martha, isso não é nada... umas pomaditas e tal e isso passa!" mas pomadas qual quê? como se uma pomada fosse curar o que temos ca dentro... ela ate desaparece, se eu esfregar muito, mas passados uns minutos aparece outra vez!e o pior... voces ainda nao sabem o pior... é que ha momentos em que ela cresce! quando estou a ver coisas. sei la. aquelas imagens que parece que nos mancham o sangue com as cores que têm... se calhar tive damasiado tempo a olhar para uma......................

as vezes a mancha sangra...tinta. e eu nao sei o que hei-de fazer...sera o meu sangue?mas nao sabe a metal...sabe a relva...


saber que cá estou
cheirar que é aqui
ter comichões nos ouvidos
não saber se é bem isto
fazer rodas à volta daquilo que se sabe
nuvificar as bocas, os olhos, os narizes.
qué isso?
são as reticências